top of page

CONFIRA OS PREMIADOS DO PRIMEIRO BONITO CINESUR - FESTIVAL DE CINEMA SUL-AMERICANO

Atualizado: 13 de nov. de 2023

Cerimônia de encerramento aconteceu na noite deste sábado com defesa ao cinema sul-americano e show gratuito com a premiada artista Charo Bogarín


As diretoras Marinete Pinheiro, Katherina Harder e Jamille Fortunato Foto de Alex Gonçalves
As diretoras Marinete Pinheiro, Katherina Harder e Jamille Fortunato Foto de Alex Gonçalves

Aconteceu na noite deste sábado, 11 de novembro, o encerramento da primeira edição do BONITO CINESUR - FESTIVAL DE CINEMA SUL-AMERICANO DE BONITO, onde se deu a cerimônia com o anúncio dos vencedores das mostras competitivas no palco do Auditório Kadiwéu - Centro de Convenções de Bonito. Coordenadora do BONITO CINESUR - FESTIVAL DE CINEMA SUL-AMERICANO DE BONITO, Andréa Freire fez a apresentação da cerimônia, que contou com a presença dos representantes dos filmes exibidos ao longo da última semana, autoridades, a imprensa e os espectadores que tiveram acesso gratuito a toda a programação. As escolhas foram divididas entre os júris oficiais e o popular, além de incluir a participação dos jornalistas convidados para cobrir o festival em uma menção honrosa. O júri internacional foi composto pelo diretor Walter Lima Jr. (que também exibiu na programação "Inocência" e foi laureado o Troféu Memória), a atriz Ana Ivanova e a roteirista Josefina Trotta. A cineasta Jade Rainho, o professor e crítico de cinema Sérgio Moriconi, a professora de comunicação Márcia Gomes e o crítico de cinema Marcos Pierry integraram o júri sul-mato-grossense. Por fim, os jornalistas Bruno Carmelo, Lilianna Bernartt, Marcos Pierry, Renata Boldrini, Robledo Milani e Sérgio Moriconi deliberaram na escolha pelo Melhor Longa-Metragem Sul-Americano como representantes da imprensa. Os vencedores foram anunciados pelo diretor e roteirista Paulo Maia (também representante da Green Light e a Zoom Publicidade), Bruno Sampaio (representante da DAFIEMS/SESI), Juca Ferreira (ex-ministro da Cultura do Brasil e atual assessor do BNDES), o Prefeito de Bonito Josmail Rodrigues, o Deputado Federal Vander Loubet (autor da emenda parlamentar que viabilizou a existência do BONITO CINESUR - FESTIVAL DE CINEMA SUL-AMERICANO DE BONITO) e o diretor do festival Nilson Rodrigues. A cerimônia também estabeleceu um espaço para tratar a respeito do manifesto assinado por vários convidados em oposição ao fechamento do INCAA (Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais, agência do Governo da Argentina) e em defesa ao cinema sul-americano, lido por Josefina Trotta. Após o anúncio das escolhas, o evento foi concluído com um show gratuito da artista argentina Charo Bogarín acompanhada pelo músico Juan Sardi.

Confira os premiados: JÚRI OFICIAL INTERNACIONAL Melhor Longa-Metragem Sul-Americano: "El visitante", de Martín Boulocq Melhor Curta-Metragem Sul-Americano: "Estrellas del desierto", de Katherina Harder JÚRI OFICIAL SUL-MATO-GROSSENSE Melhor Filme Sul-Mato-Grossense: “Cordilheira de Amora II”, de Jamille Fortunato JÚRI POPULAR Melhor Longa-Metragem Sul-Americano: "La Pampa", de Dorian Fernández Moris Melhor Curta-Metragem Sul-Americano: "Yigayo Yuwuerane", de Ross Dayana López Melhor Filme Sul-Mato-Grossense: “A Dama do Rasqueado”, de Marinete Pinheiro MENÇÕES HONROSAS Júri Oficial Internacional: Interpretação para Fernando Bacilio, por “La Pampa” Júri Oficial Sul-Mato-Grossense: “A Dama do Rasqueado”, de Marinete Pinheiro Imprensa - Melhor Longa-Metragem Sul-Americano: “Mais Pesado é o Céu”, de Petrus Cariry

TROFÉU MEMÓRIA Walter Lima Jr.

Sobre o BONITO CINESUR - FESTIVAL DE CINEMA SUL-AMERICANO O festival, que acontece gratuitamente até o dia 11 de novembro no Centro de Convenções e na Câmara Municipal da cidade de Bonito - MS, oferecerá premiação em dinheiro e o Troféu Pantanal para os melhores filmes escolhidos por um Júri Oficial e pelo voto do público no Júri Popular nas categorias: melhor longa sul-americano, melhor curta sul-americano e melhor filme sul-mato-grossense. Dividido em cinco categorias, a programação contará com seis títulos na mostra competitiva Longa-Metragem Sul-Americano: "Lucette" (de Mburucuya Fleitas e Oscar Ayala Paciello); "La pampa" (de Dorian Fernández Moris); "Green Grass" (de Ignacio Ruiz); "El visitante" (de Martin Boulocq); "La bruja de Hitler" (de Virna Molina e Ernesto Ardito); e o brasileiro "Mais Pesado É O Céu" (de Petrus Cariry). Já na mostra Curta-Metragem Sul-Americano, os títulos são "Sigma" (Allan Riggs e Rubens Sant’Ana), "Milonga de espino" (Álvaro Leivas), "Vias" (Pablo Agustin Richards), “Yigayo yuwuerane" (Ross Dayana López), "Piedra dura" (Rommel Villa) e "Estrellas del desierto" (Katherina Harder). As suas exibições serão precedidas das obras da mostra Longa-Metragem Sul-Americano. Outra mostra competitiva é a Filmes Sul-Mato-Grossenses, composta por "Planuras" (Mauricio Copetti), "Adão e Eva do Pantanal Sul" (Ara Martins), "Cordilheira de Amora II" (Jamille Fortunato), "As Marias" (Dannon Lacerda), "La plata ivygu - Enterros e Guardados" (Paulo Alvarenga Isidorio e Marcelo Felipe Sampaio), "Cativo" (Albano Pimenta), "De Tanto Olhar o Céu Gastei Meus Olhos" (Nathália Tereza), "A Outra Margem" (também de Nathália Tereza) e "A Dama do Rasqueado" (Marinete Pinheiro). Para finalizar, há duas mostras paralelas. A Animasur é uma seleção de animações em curta-metragem voltada sobretudo para os públicos infantil e infantojuvenil, com quatro delas preparadas com recursos de acessibilidade. Já a Mostra Ambiental é representada por documentários e obras de ficção cujas temáticas estão relacionadas ao meio-ambiente. O diretor do Festival, Nilson Rodrigues, ressalta que “quer que o evento seja um espaço de encontro da melhor produção cinematográfica da América do Sul e também o ambiente para discutir os nossos mercados, as dificuldades que enfrentamos para termos acesso às nossas cinematografias. A ideia é contribuir para construir alternativas. O curador da Mostra de filmes sul-americanos de longa e curta-metragem, José Geraldo Couto, afirma que “a importância deste novo festival é enorme, por tornar a cidade de Bonito (e o estado do Mato Grosso do Sul) um polo importante de difusão e debate da produção cinematográfica contemporânea do continente. O MS está praticamente no centro da América do Sul, fazendo fronteira com a Bolívia e o Paraguai, o que faz dele uma região particularmente apropriada para a veiculação de obras e o intercâmbio de experiências dos realizadores cinematográficos do continente. Para complementar, José Geraldo aponta que “a busca pela diversidade temática e estética foi tão importante quanto a exigência de qualidade artística” na escolha das obras selecionadas. O curador afirmou ainda que “os filmes selecionados acabaram se impondo justamente por combinar relevância temática e excelência na realização cinematográfica. Em termos de tema, estão presentes questões candentes da atualidade: políticas, sociais, étnicas, de gênero, etc. Mas esses assuntos são abordados das mais diversas maneiras, e essencialmente cinematográfico, variando do drama ao suspense, do documentário ao fantástico. Além das Mostras de filmes, o evento contará com ampla programação com atividades formativas, fóruns de discussões sobre mercado de cinema e audiovisual na América do Sul, encontro com produtores e realizadores, oficinas de roteiro, de elaboração de projetos audiovisuais e de coprodução internacional e shows com convidados muito especiais.

Realização: Associação Amigos do Cinema e da Cultura A Associação Amigos do Cinema e da Cultura é uma entidade privada sem fins lucrativos, fundada em 2007, que desenvolve projetos culturais, educacionais e de formação há mais de 15 anos. Entre as atividades realizadas, destacam-se os projetos Cinesurdo; Vídeo Índio Brasil; A Escola no Cinema; Diálogos Contemporâneos; Circuito Popular de Cinema do Ceará; e Cinema nas Escolas. Sua experiência e capacidade técnica para o desenvolvimento e realização de atividades na área do cinema, bem como em formação, educação e cultura em geral, já foram atestadas pela Comissão de Educação, Saúde e Cultura da Câmara Legislativa do Distrito Federal e pela Universidade de Brasília. Nilson Rodrigues: Diretor do Festival Produtor dos filmes “O Outro Lado do Paraíso”, de André Ristum (2014), e “O Pstor e o Guerrilheiro”, de José Eduardo Belmonte (2023). Foi diretor do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (1995, 1997, 1998 e 2011) e do Festival Internacional de Cinema de Brasília – Brazilian International Film Festival (2012 a 2017). José Geraldo Couto: Curador da Mostra de filmes sul-americanos de longa e curta-metragem É jornalista, tradutor e crítico de cinema. Trabalhou por mais de 20 anos no jornal Folha de S. Paulo. Atualmente é colaborador do Instituto Moreira Salles. Traduziu obras literárias de Henry James, Norman Mailer, Truman Capote, Martin Scorsese e Nelson Mandela, entre outros.

11 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page