top of page

CONFIRA O TRAILER DE AS LINHAS DA MINHA MÃO, DE JOÃO DUMANS, QUE ESTREIA EM 11 DE ABRIL

Dirigido por João Dumans, codiretor de Arábia (2017), o filme é protagonizado pela artista Viviane de Cássia Ferreira, que fala francamente sobre a sua experiência com a arte e a loucura


AS LINHAS DA MINHA MÃO
AS LINHAS DA MINHA MÃO

Grande vencedor da Mostra Aurora do Festival de Tiradentes de 2023, AS LINHAS DA MINHA MÃO, de João Dumans, estreia nos cinemas em 11 de abril. O filme nasce a partir de uma série de encontros entre o cineasta e a artista Viviane de Cássia Ferreira, nos quais ela fala sobre a vida, seu trabalho e sua própria experiência com a loucura. A produção é da Katásia Filmes, e a distribuição da Embaúba Filmes. “Minha questão em relação à Viviane, minha percepção e fascinação por ela, estão muito relacionadas à clareza e a precisão com que ela é capaz de articular certas ideias sobre a vida e sobre a loucura. Com o seu poder de síntese e de explicação de realidades e estados emocionais complexos. Coisas que me parecem ser bem difíceis de formular. Seja em relação à loucura, à solidão, a questões afetivas e sexuais”, explica Dumans.

Atriz do núcleo Sapos e Afogados, um dos grupos teatrais mais importantes do Brasil na área de criação e saúde mental, Viviane se abre diante da câmera sobre questões delicadas como o próprio adoecimento, já que convive desde os 30 anos com o diagnóstico de Transtorno Bipolar. No filme, ela fala de forma aberta também sobre a sua solidão e sobre a sua sexualidade, dois temas tabus para mulheres mais velhas na sociedade brasileira. Mas o faz de uma maneira leve, engraçada e cativante, o que leva as pessoas a se identificarem com a sua personagem e a perceberem essas questões de um ângulo diferente.

"Fico pensando na depressão como uma senhora fria e triste que vai ao nosso portão todas as manhãs, como diz o verso de uma banda da minha época. Na música, a pessoa sorri e manda ela ir embora. Tenho que fazer esse exercício diário. E cada vez que consigo, a sensação que vem é a de juventude. De que tenho mais vida. Porque a depressão é o polo oposto, é a pulsão de morte. A euforia é uma pulsão de vida, mas não posso ir para lá, nem para cá, tenho que ficar navegando. E, nesse sentido, é importante ter pessoas, afetos a quem eu possa confiar. E dá certo. Normalmente, são pessoas mais jovens que eu. Gosto da força da juventude. Fui mãe muito cedo, aos 16 anos, e isso interfere… Parei tudo e fui criar minha filha. Trabalhei muito. E deu certo. Cada batalha que ganho da doença me deixa tão feliz… Isso me rejuvenesce um tanto.", conta a artista




Para mim, as coisas super se confundem, porque gosto mesmo de trabalhar. Nem me chamo de atriz, me nomeio ‘performer entre arte e vida’. Onde meu trabalho está, há uma verdade muito pessoal, particular e subjetiva. E o contrário também é verdade. Quero que a minha arte reflita isso. Por isso foi muito legal o meu encontro com o João, porque ele se dispôs a isso. O mais quente da interpretação é a própria vida. Isso se confunde o tempo todo, mesmo quando são só memórias. Nossas memórias estão cheias de vida”, confessa a artista.

Dumans também destaca a importância do improviso no filme que, para ele, “significa esse lugar específico da atuação onde a vida e o cinema se confundem.” “Para cada realizador, trabalhar com um não-ator, um ator não-profissional ou um ator iniciante, improvisar, significa coisas diferentes.  No nosso caso, o improviso consistia na disponibilidade de estar junto e tentar encontrar alguma coisa que nós ainda não sabíamos o que era. 



Em sua estreia no Festival de Tiradentes, AS LINHAS DA MINHA MÃO foi recebido com enorme entusiasmo pela crítica e pelo público. 



A narrativa se torna tensa, não pelo fato em si, mas por tudo que arrasta com ele — as dores da profissão (atriz), as dificuldades familiares ou as decepções amorosas. Elas como que rebatem num mal em que psiquiatra, psicanalista, psicólogo surgem como emanação de uma doença que se confunde com o excesso de desejo, de vida (ou ao menos parece isso) em um mundo que fica praticamente fora da imagem, mas a tensiona permanentemente”, escreveu Inácio Araújo na Folha de S. Paulo. 



No texto de premiação de Melhor Filme, o Júri da Mostra Aurora de Tiradentes escreveu: 



"O quadro se torna a abertura de uma pessoa que a todo momento desafia a noção de bordas, expande limites e se prova uma fabuladora maior que a vida. Um sujeito que inventa a si mesmo diante de nós, plano a plano.”



AS LINHAS DA MINHA MÃO será lançado no Brasil pela Embaúba Filmes. 

13 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page