top of page
  • Foto do escritorLagoaNerd/Karen

Filme estrelado por Rolando Boldrin estreia no Curta Kinoforum

Em 'Despovoado, ou tudo que a gente podia ser', ícone da cultura caipira encarna o Velho Oeste e narra memórias da colonização do interior brasileiro.

Rolando Boldrin Foto: Gabriel Samezima
Rolando Boldrin Foto: Gabriel Samezima

"Até o início do século XX, o Oeste era conhecido como Terrenos Despovoados". É com esse enunciado que 'Despovoado, ou tudo que a gente podia ser' adentra às memórias do Velho Oeste, personagem interpretado por Rolando Boldrin, para narrar os conflitos que se passaram durante a colonização do interior profundo de São Paulo no século passado.

O ator, músico e apresentador, um dos maiores nomes da cultura popular brasileira que marcou época na TV como Senhor Brasil, atuando em novelas, programas musicais, e no cinema com 'Doramundo' (1978), 'Ele, o Boto' (1987), 'O Tronco' (1999), e 'O FIlme da Minha Vida' (2017), apresenta as visões de um senhor branco, filho de pistoleiro, que resgata lembranças da juventude ao ouvir uma música na caixinha bluetooth da neta.

Contrapondo romance e tragédia, o filme cria um retrato da fictícia 'Querência dos Olhos D'Água', vila rural que abrigava migrantes de diversas regiões do Brasil em busca de terra e trabalho, e passa a conviver com o surgimento de um barulho estranho. As memórias românticas do período, narradas pelo Velho Oeste, acabam ocultando os episódios de violência contra povos indígenas que habitavam o território.

O filme ainda tem participação especial de Dulce Jorge Kaingang, Susilene Kaingang e Itauany Kaingang, três mulheres indígenas remanescentes da etnia Kaingang no Oeste Paulista, que atualmente vivem no Território Indígena Índia Vanuíre e são responsáveis pelas atividades do Museu Worikg.

O curta terá sua estreia mundial durante o 34º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo - Curta Kinoforum, nos dias 25 e 26 de agosto. A direção é de Guilherme Xavier Ribeiro, que venceu o Prêmio Canal Brasil no mesmo festival em 2022 com 'Ainda Restarão Robôs Nas Ruas Do Interior Profundo', outra ficção interiorana que atualmente concorre ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2023. A produção é de Fernanda Scudeller e Guilherme Peraro, direção de fotografia de Guilherme Gerais, e direção de arte de Beatriz Xavier.

'Despovoado' foi produzido pela Oeste, cooperativa audiovisual sediada em Assis-SP, em coprodução com a Kinopus e Sinapse Filmes, e foi filmado no distrito de Sussuí, na região do Vale do Paranapanema, um antigo povoado que, segundo histórias contadas por seus poucos habitantes, perdeu sua população para uma epidemia de febre amarela no início dos anos 70.

Direção: Guilherme Xavier Ribeiro

Produção: Fernanda Scudeller e Guilherme Peraro

Direção de Fotografia: Guilherme Gerais

Direção de Arte: Beatriz Xavier

Participação especial: Rolando Boldrin (In Memoriam)

Produção: Oeste Cooperativa Audiovisual

Coprodução: Kinopus e Sinapse Filmes

Apoio: NovAmérica Agrícola e Fundação Educacional do Município de Assis - FEMA

3 visualizações0 comentário
bottom of page